Projeto Lerelena

Projeto Lerelena

Em homenagem ao centenário do nascimento da poeta paranaense Helena Kolody iniciamos o Projeto Lerelena.

Nove poetisas do sul brasileiro se propoem ao desafio de ler relendo (ler helena) e interInvencionar. A proposta é confluir e colidir a nossa letra com a dela, helena. As interInvenções serão sempre sensibilizadas por poemas seus. Nesta primeira etapa partiremos de nove poemas que serão postados a cada sexta-feira.


Miragem no caminho (Helena Kolody)

Perdeu-se em nada,

caminhou sozinho,
a perseguir um grande sonho louco.

(E a felicidade
era aquele pouco
que desprezou ao longo do caminho.)



sexta-feira, 10 de agosto de 2012

As Marias e as palavras

As palavras não são apenas instrumentos, as palavras são o nó de nós.....
o pensamento mente, o pensamento demente, como dizia ontem uma nova pedra indasileira, em uma festa de natal ao som de um Sitar.
De ordem completamente urgente as Marias em um movimento de nó de gravata borboleta sentem na palavra a demência da mente e com as palavras (des) mentem, basta saber ler!!!!


 MARCAS (eu amo as marias)



Dedico este diálogo entre três Marias brasileiras (Turquesa, Madripérola, Ametista) a outras três Marias brasileiras:

 Lápis Lazuli, Ônix e Agata.


MARCAS 
Turquesa

nós somos demais
muitos
ah
cá entre nós
muito cá
muitos nós
amamo-nos muito
mas
calamo-nos muito
muitos mas
ah
muito mais
nós demais
em sermos
nós demais




MARCAS

Madripérola (Denise Vieira)

Torto
Torcido
louco

Toco
ferido
frouxo

Pouco
exaurido
rouco

é o meu coração



MARCAS
 AMETISTA (Jo Ana)
Regalo a pedra Topázio
ao mais
não ao mas

Regalo a pedra Topázio
a laranja sendo descascada quase cortando o dedo
não ao simétrico ponto de partida

Regalo a pedra Topázio
a um lado da cama sempre desmontada
não ao rastro de um atalho fechado

Regalo a pedra Topázio 
a foto da janela da casa em Tiradentes
não ao teto escuro do quarto

Regalo a pedra Topázio
a nutrição voluntária das pedras
não ao tóxico cheiro de creme pós-copulação

Regalo a pedra Topázio
a  feliz dança trash das marianas
não ao singular filme dos amantes

Regalo a pedra Topázio
a livre escolha de estar ao vento
não a cena armada dentro de um quadro

Regalo a pedra Topázio
a vontade de sair da sacada vestida de flor amarela
não ao pé preso da mesa de ferro da sala

Regalo a pedra Topázio
a pele morena da morena que sempre mora comigo
não a folha de inverno idratada de saudade

Regalo a pedra Topázio
a coisa bonita que é ser bonita 
não ao beijo roubado no pé da calçada

Regalo a pedra Topázio 
a poesia fresca de doidas doídas
não ao poema formatado para a rata ruída 

Regalo a pedra Topázio
a voz machucada da menina de sempre
não ao bem desenhado gato do telhado

Regalo a pedra Topázio
a ideia de uma viagem
não ao silêncio de uma ideia

Regalo a pedra Topázio
a rede 
não a isca

Regalo a pedra Topázio
a fantástica roda das pedras
não ao viciado círculo dos poemas

Regalo a pedra Topázio
a leveza das Marcas...

2 comentários:

Anônimo disse...

O último cálculo

Sou calculista.
Isto dizem meus rins
e alguém de mim
além de mim.
Adicto às letras
me rendo
ao rito do cálculo.
Adicto às letras
sou quase um liguista calculista
que em busca da origem
descobre o cálculo em ita
se descobre amante de pedra infinita
que finda em ita.
A semântica de meu cálculo se distende
e calculo a soma de 1 mais 1
e calculo a subtração de 28 menos 36.
Conto reconto tudo outra vez e sempre chego a 2.
Calculo de quantas pedras preciso para proteger a palavra que não leio e tenho exultante o resultado de que uma me basta.
Sim. Sou calculista.

madupin disse...

Não seja menos Ametista Mariana, a uma Maria Ametista BRA.